top of page

Filmes: Zootopia

Quanta profundidade em um filme que parece infantil.


A personagem, uma coelha, baixinha, aparentemente frágil pelo estereótipo social, queria ser policial.


A raposa, aparentemente sacana pelo estereótipo, queria ser um parceiro fiel.


O elefante, com sua aparente memória, só queria deixar ir.


O leão, aparentemente feroz, queria provar que podia ser da paz.


Para quebrar o estereótipo, socialmente construído, cada personagem precisou enfrentar uma jornada pessoal e, em muitos aspectos, compartilhada. Tentar, falhar, e recomeçar. Muitos desconfortos fazem parte desta caminhada.


A Zootopia nos convida a ser a mudança que queremos ver, para isso mostra como é necessário permanecermos profundamente conectados com a nossa intencionalidade.


Nessa caminhada observe... Por trás dos estereótipos os personagens tem muitas em coisas em comum.


Cada personagem queria ter um espaço para contribuir com a construção dessa cidade utópica, por meio do melhor de cada um - Zootopia, um lugar onde você pode simplesmente ser.


O filme mostra, na minha leitura, como visões muito rígidas sobre nós mesmos e sobre os outros contribui para a formação de barreiras na construção da utópica harmonia. Como cultivar harmonia e paz quando nos apegamos a um rótulo que distancia o "eu" e o "outro"? O filme mostra essa contradição. Com abertura essa harmonia começa a se tornar possível... Mas isso é na Zootopia.


E na vida real, como cultivamos a mudança que gostaríamos de ver no mundo?

bottom of page